domingo, 25 de julho de 2010

Outros contos.

Sr. M. Você (Graças a Deus) já é um passado na minha vida.
As lembranças do que vc me fez sofrer se eternizarão neste blog, que farei questão de nunca excluir tais tópicos referentes a si.

Minha história é outra. Minha vida é outra.
Conturbada e maravilhosa.
Notícias novas: Mudei de psiquiatra. Um pequeno paço para mim, um grande passo para o tratamento. Dica de meu psicólogo sob a suspeita de estar diante um caso de engano médico acerca do meu diagnóstico.
Antes era Bipolar tipo II com ciclagem ultra-rápida.
Devido tais suspeitas de meu psiquiatra e sobre recomendação de procurar outro profissional, meu atual diagnóstico se transforma em Transtorno de Personalidade Borderline.
Concordo com tal faceta. Bipolar era algo com o qual nunca me identifiquei, mesmo lendo e re-lendo descrições desta doença.
E assim vou seguindo com meus medicamentos.

Sinto-me injuriado em várias questões de minha vida. Não sei como agir diante circunstâncias.
Algumas das quais poderia não fazer, mas insisto em faze-las.
Refiro-me ao coitado do meu ex, que ainda é apaixonado em mim.
Não sinto qualquer tipo de atração pelo coitado, mas uma força que desconheço insiste em fazer com que avive esta paixão que há nele. E para tal, uso de persuasões, palavras carinhosas para assim ter ele disponível para mim de novo.
Qual o motivo que faço isso? Realmente, não sei.
Antes o odiasse. Ao contrário, não sinto absolutamente nada por ele.
Enquanto ao M., (¬¬) apenas meu desdém.
Estou conhecendo um rapaz (o conheci hj em um bate-papo). Sinto que pode haver uma história entre nós. Mas já viajei demais sobre ele.
Nossa! Quanta esperança eu depositei nele. Não o classifico como sendo dos mais belos, embora ele tenha um charme gritante. Como o quero!
E minha vida volta a se tornar um caos.
Será que ele gosta de mim?
Será que fui atencioso o suficiente?
Será que toda a atenção que depositei nele o fará se sentir por cima, pensando que poderá se desfazer de mim a qualquer momento?
E diante disso, reflito: Como devo agir?
O conheci há poucas horas, embora já tenha me afeiçoado o bastante para dizer a ele o quanto gosto dele.
Amor? Quem falou em amor?
Fiquemos apenas no verbo gostar. E é exatamente isto que sinto por ele.
Mas grandes esperanças já foram depositadas e minha mente parece no momento que gira apenas ao redor dele.
Porque ele não marcou um encontro comigo?
Me chamou de lindinho. E o que afinal significa lindinho?
Feio bem arrumado, bonitinho, lindo, aceitável.
Me sinto terrível. Sou gordo.
E isso só me influencia a estar sempre comendo mais e mais.
Acho que quero morrer apenas para não ter que viver tudo isso novamente.
A vida é mesmo uma desgraça.
E toda vez que o vejo on-line no MSN, uma nova oportunidade para que eu me sinta pior, ridicularizado, humilhado.
A vida parece que nunca irá satisfazer minhas necessidades básicas de felicidade.
Afinal, nunca serei feliz?
As palavras parecem que não conseguem explicar o que estou sentindo no momento, que apesar de superficial, é extremamente intenso.
Poxa, queria tanto poder ler a mente de outras pessoas para assim saber como sou visto, se sou visto. Queria saber o que se passa no interior de cada pessoa, para assim ter mais certeza e segurança das coisas que digo e faço.
Minha vontade é dizer: Te amo!
Mas isso irá garantir que ele tbm me ame? É inútil pensar desta forma.
É inconsequente.
Suas palavras parecem ser tão vazias e superficiais e, não obstante, fico apenas em um maldito monólogo onde ecoa apenas o som da minha voz.
Como eu queria te abraçar, te amar e ser amado.
Mas você não sabe como me sinto e, se soubesse, provavelmente rejeitaria.
Como posso viver assim? Onde cada dia um novo amor surge, com novas idealizações, novos desenganos e frustrações.
Queria que Deus fosse justo comigo e me matasse. Seria esta a única felicidade do homem.
Pois a vida é uma constante dor. Uma sucessão de desilusões.
Mas, sim! Axo que te amo. E quero muito viver com vc.
Posso confiar em você? No início, suas palavras eram ternas, e agora, no que se tornaram?
Que o mundo acabe, e fiquemos apenas nós dois.
Diga logo que me ama. Fique comigo, não me abandone.
Sabe como são estas coisas? Insuportavelmente angustiantes.
O amor é macabro e sádico.
Ai! A vida é um fardo pesado demais para se carregar.
Como será amanhã qnd conversarmos novamente?
Quando eu entrar no MSN, vc virá conversar comigo, ou terei que esperar por um cumprimento que nunca virá?
Resistirei, ou direi as primeiras palavras para que se inicie nosso diálogo?
São tantas perguntas sem resposta. Isso torna um sujeito louco.
E minha dor é ver o descaso com que me trata.
Por ainda mais que seus sentimentos se revelem, há em mim um filtro que impede de ve-los, e quero sempre mais e mais.
Quero o máximo possível de vc.
E por vezes, o impossível seria também satisfatório.
Quero você, quero agora!
Por favor. Antes de dormir, pense em mim. Pense no que conversamos.
E alegre-se. Encha de desejo por mim e diga amanhã o quanto sonhou comigo, um sonho bom, puro que por algumas horas, foi eterno.
Venha a mim sedento de amor. Venha a mim cobiçante.
Apenas venha sem pensar, e me ame.
Ame profundamente, intensamente.
Pq não quero e não posso ficar sem esse amor.

Um comentário:

Somatizando a vida disse...

Você saiu e nem se despediu.
Você não me quer, justamente no momento que decidi te amar.
Você me abandonou.
E agora, o que me resta?
Só lágrimas e dor.
Mas continuo te amando.
E este pouco tempo, não esquecerei jamais.
A fantasia do amor que nunca tive, dos beijos que nunca dei.
Me lembro de todos estes momentos que só existem para mim.
E é por isso que te amo.
Mesmo com a sua rejeição.

Ocorreu um erro neste gadget