segunda-feira, 19 de abril de 2010

Invirtuosidades.

Como é se apaixonar?
Sem dúvida, esta é uma questão subjetiva, uma vez que a vivência da paixão é particular, privada e exclusiva de cada indivíduo.
Mas há pequenas alterações de percepção que considero um estado patológico do apaixonar.
Tenho me visto cercado de inúmeros processos subjetivos, involuntários e indesejáveis deste.
Cada sentimento que vivo é tão real, tão meticulosamente elaborado que sinto-os de modo palpável, consigo visualizá-los à parte e até mesmo medi-los...embora na grande maioria das vezes sejam incontavelmente maior daquilo que seja necessário a uma situação costumeira.
Tenho estado com um rapaz..Um garoto de quem tenho gostado muito.
É estranho ter de falar desta forma tão errônea de sentimento..mas o faço porque tem se tornado insuportável sentir a isso sozinho.
Sabe uma pessoa que corresponde a quase tudo com o qual sempre idealizara?
Sabe quando uma pessoa demonstra gostar de você?
Nunca havia passado por isso e tenho feito o possível e o impossível para fazer destes casuais encontros, um relacionamento sério e duradouro.
Mas ao mesmo tempo, tenho me desgastado indiscriminadamente, tudo para transformar um sonho longo em realidade.
Nunca estive em um relacionamento antes, nunca amei ninguém antes. Embora não possa dizer tambem que esteja amando este garoto.
Mas o que sinto, confesso, é forte demais para ser apenas uma atração.
Quero ele. Quero a todo momento. Preciso sempre da confirmação dos sentimentos dele.
E o silêncio da distância tem ferido vertiginosamente. O sentimento de não saber o que o outro está pensando, sentindo. Se é recíproco ou não.
Geralmente, pelo medo da aproximação, evito um contato maior com a pessoa.
Mas com este é diferente, tenho superado minhas expectativas, ido além àquilo que antes fui.
Meu medo e meu receio, é não saber o que se passa com ele. É sofrer. Suportaria a traição, mas não suportaria ser desrespeitado desta forma, ficar sem saber o que ele pensa. Sem uma manifestação dos sentimentos dele.
Palavras parecem nunca fazer com que eu creia nele.
Pq esses sentimentos e esses devaneios tão amedrontadores?
Pq a vida não me guarda coisas boas?
Pq toda vez que estou ao lado dele, sinto-me tão inferior, sinto-me como um cargo pelo qual ele tenha que carregar? Sinto-me...mal tenho palavras para poder dizer akilo que realmente sinto.
Sabe, queria morrer.
Sempre escrevi textos sobre o amor ideal.
Sobre o ideal de amor e morte, mas nunca sequer pensei que tal sentimento fosse algo tão devastador.
Mas o amor é realmente possessivo de tal forma?
O amor é realmente inseguro?
Me deprimo por ver a todo instante que preciso ouvir a voz dele, ou ler uma mensagem dele e não ter contato com aquilo naquele momento.
Sinto-me só, e pensamentos negativos começam a invadir minha cabeça. Talvez ele tenha se enjoado de mim. Talvez eu não seja realmente tão bom para ele.
Quero morrer.
Quero morrer por não poder ter aquilo que quero.
Afinal, qual o meu problema?
Pq estas coisas se passam comigo?
Preciso de ajuda...Realmente.
Ocorreu um erro neste gadget